Portal   |   Hospedagem   |   Pesquisar  
Registrar  Entrar
Índice do fórum Linux Artigos


Siga-nos:
Siga lnxtotal on Twitter

Comandos mais usados em Shell Script no Linux

   
Área para a postagem de artigos sobre linux.

Moderadores: Fundador, Moderadores

Comandos mais usados em Shell Script no Linux

Mensagempor ruy » 24 Fev 2018, 19:28

.

Qual é o seu usuário?

.

Se você não tem certeza qual é o seu usuário, use o comando "whoami" sem aspas, para saber.

.

Como o prompt de usuário normal pode ser diferente para cada um, podemos em algum momento usar "prompt$" para indicar o prompt da linha de comando.

.

ESCOLHER O DIRETÓRIO ONDE COLOCAR O SCRIPT

Para que o script possa ser executado de qualquer parte do sistema, mova-o para um diretório que esteja no seu PATH. Para ver quais são estes diretórios, abra agora o terminal pelo menu do sistema e digite o comando:

echo $PATH

.

Se não tiver permissão de mover para um diretório do PATH, deixe-o dentro de seu diretório pessoal ($HOME). Digite no terminal: $HOME

.

CRIAR O ARQUIVO E COLOCAR NELE OS COMANDOS

Abra pelo menu do sistema o editor de texto gedit, pluma, leafpad, mousepad ou outro editor de textos de sua preferência para colocar todos os comandos dentro do arquivo.

.

COLOQUE A CHAMADA DO SHELL NA PRIMEIRA LINHA

A primeira linha do script deve ser:

#!/bin/bash

Para que ao ser executado, o sistema saiba que é o bash quem irá interpretar estes comandos.

.


TORNE O SCRIPT UM ARQUIVO EXECUTÁVEL

Use o seguinte comando para que seu script seja reconhecido pelo sistema como um comando executável:

chmod +x nome-do-teu-shellscript.sh

.

Para permitir que todos os usuários possam executar o script:

chmod a+x nome-do-teu-shellscript.sh


.

EXECUTE O SCRIPT


./nome-do-teu-shellscript.sh (Aqui "./" representa o diretório atual)


/home/seu-usuário/bin/nome-do-teu-shellscript.sh (Aqui informa onde está o script para que o bash execute em outra pasta)


.

BASH EXECUTANDO COMANDOS

Shell script é uma linguagem de script usada em vários sistemas operacionais, com diferentes dialetos, dependendo do interpretador de comandos utilizado.

Um exemplo de interpretador de comandos é o bash, usado na grande maioria das distribuições GNU/Linux.

A maior parte dos usuários classificam shell script como uma linguagem de fácil aprendizagem. O primeiro passo é, saber o que se deseja fazer, então ver qual o código que executa este comando em shell e aí criar, basta escrever o código em algum editor de texto e salvar. Veja só por exemplo, que de tempos em tempos você quer saber informações do sistema, instalar programas, remover programas, converter/alterar arquivos, fazer backups, adicionar informações, remover informações, etc.

.

AGORA ABRE O TERMINAL E DIGITA COMANDOS, POR EXEMPLO, DIGITE ESTES COMANDOS ABAIXO UM DE CADA VEZ:


echo

ls

echo ''

echo ""

echo "Olá!"

printf 'Bem vindo ao bash!' (Aperte a tecla enter e digite: ls)

echo '#!/bin/bash'

echo "#!/bin/bash"

echo ; echo "Olá!" ; echo

echo -e 'Bom\nDia\nMundo!'

echo "Hello world!"

echo "Hello "world"!"

echo "Hello \"world\"!"

printf "Hello world" (Aperte a tecla enter e digite: cd ~)

pwd

ls -t

sleep 7

echo ; echo 'Olá!' ; sleep 3 ; ls -t

free -h -t

free -th

sleep 4

date

cal

du -h

uptime

df -h

clear

free -tmlh

df -a -h

df -k -l

df -T -m

echo ; whoami ; echo

ls ; echo ; pwd ; echo

echo ; ls -at ; echo

du *

ls -lah

du -hcs

du -ach

du -Sh

du -Sk

clear

echo ; echo 'df: Relata o espaço de disco usado pelo sistema (Usado e Livre)' ; echo

ls -hat

echo ; echo "du: Relata o espaço utilizado no disco de tal arquivo ou diretório" ; echo

whereis bash

VALOR="Linux"

echo $VALOR

echo $VALOR $VALOR

VALOR='ls -t'

$VALOR

echo $VALOR

VALOR='free -h -t'

$VALOR

echo $VALOR

echo VALOR

read VALOR (aperte a tecla enter, digite: "ls" sem aspas e aperte enter.)

$VALOR

read VALOR (aperte a tecla enter, digite: "uptime" sem aspas e aperte enter.)

$VALOR

echo ; $VALOR ; echo ; $VALOR ; echo

echo ; $VALOR ; sleep 4 ; echo ; $VALOR ; echo

unset VALOR

echo ; $VALOR

$VALOR

clear

echo -e '\nOlá!\nVamos\nSaber\nOs\nComandos\ndo\nShellscript Linux!'

clear ; echo -e '\n \nOlá!\n \nVamos\n \nSaber\n \nOs\n \nComandos\n \ndo\n \nShellscript Linux!\n'

HOJE=$(lsblk)

echo "Informação sobre dispositivos de bloco: $HOJE"

unset HOJE

echo $HOJE

echo $((2*3))

echo $((2*4-2/2+3))

VALOR=44

echo $((VALOR*1))

echo $((VALOR*2))

echo $((VALOR*3))

VALOR=$((VALOR+1))

echo $VALOR

VALOR=$((VALOR+11))

echo $VALOR

VALOR=$((VALOR+1))

echo $VALOR

VALOR=$((VALOR+11))

echo $VALOR

unset VALOR

echo $VALOR

VALOR=$(uname -a)

echo $VALOR

HOJE=$(arch)

echo $HOJE

echo "Informação sobre o kernel: $VALOR" ; echo ; echo "Informação sobre a arquitetura do sistema: $HOJE"

echo 'Informação sobre o kernel: $VALOR' ; echo ; echo 'Informação sobre a arquitetura do sistema: $HOJE'

unset VALOR

unset HOJE

echo "Informação sobre o kernel: $VALOR" ; echo ; echo "Informação sobre a arquitetura do sistema: $HOJE"

echo 'Informação sobre o kernel: $VALOR' ; echo ; echo 'Informação sobre a arquitetura do sistema: $HOJE'

clear

exit

.

Muito bom que você digitou um comando de cada vez!!!

Saiba que já está entendendo coisas extremamente úteis para escrever shellscript usando o Bash!

Uma coisa interessante sobre os comandos acima, é que para estudar eles, você não precisa estar conectado a internet.

Os comandos acima oferecem informações interessantes e úteis. Podemos colocar todos eles em um só script e executar. Dependendo do caso, é mais fácil que digitar um a um de cada vez toda vez que precisar.

.

SE PUDER, ANTES DE CONTINUAR EXECUTE OS COMANDOS ACIMA QUE TE CHAMARAM MAIS A ATENÇÃO DE NOVO POIS, EXECUTAR ELES É MUITO DIDÁTICO. NADA MELHOR QUE APRENDER PRATICANDO.

.

ASPAS SIMPLES ' E ASPAS DUPLAS ":

Aspas duplas permitem interpretar caracteres especiais.

Aspas simples desabilitam esta interpretação.

.

CARACTERES DE ESCAPE:

echo "Hello \"world\"!"

.

TODO SCRIPT ESCRITO PARA RODAR NO BASH COMEÇA COM:

#!/bin/bash

Após "#!/bin/bash" de um espaço entre linhas e então pode começar a digitar comandos.

.

Exemplo:


#!/bin/bash

clear

echo ; date ; echo ; sleep 4

echo ; cal ; echo ; sleep 4

echo ; uptime ; echo ; sleep 4

echo ; df -h ; echo ; sleep 4

echo ; free -html ; echo ; sleep 4

echo ; whoami ; echo ; sleep 4

echo ; pwd ; echo ; sleep 4

echo ; ls -at ; echo ; sleep 4

echo ; whereis bash ; echo ; sleep 4

echo ; echo 'Este é o fim do script 01-script.sh' ; echo ; sleep 4

exit

# Fim do script

.

ESTE SCRIPT ÚTIL E INOFENSIVO ACIMA SERÁ SALVO NA PASTA HOME, A PASTA DA CASINHA, USANDO UM EDITOR DE TEXTO COM O NOME DE:

01-script.sh

.

Posso melhorar/tornar mais amigável este script acima explicando sobre cada comando:

#!/bin/bash

clear

echo ; echo 'Hoje é data:' ; echo ; sleep 2

echo ; date ; echo ; sleep 4

echo ; echo 'Hoje pelo calendário é:' ; echo ; sleep 2

echo ; cal ; echo ; sleep 4

echo ; echo 'Esta máquina está funcionando a:' ; echo ; sleep 2

echo ; uptime ; echo ; sleep 4

echo ; echo 'Sobre o tamanho desta pasta:' ; echo ; sleep 2

echo ; df -h ; echo ; sleep 6

echo ; echo 'Sobre a memória RAM:' ; echo ; sleep 2

echo ; free -html ; echo ; sleep 6

echo ; echo 'Você está logado como:' ; echo ; sleep 2

echo ; whoami ; echo ; sleep 4

echo ; echo 'Você está em:' ; echo ; sleep 2

echo ; pwd ; echo ; sleep 4

echo ; echo 'Neste diretório/pasta tem:' ; echo ; sleep 2

echo ; ls -at ; echo ; sleep 6

echo ; echo 'O Bash está em:' ; echo ; sleep 2

echo ; whereis bash ; echo ; sleep 4

echo ; echo 'Este é o fim do script 01-script.sh' ; echo ; sleep 4

exit

# Fim do script

.

No Linux o script deve ter permissão de execução, isto pode ser feito abrindo o terminal pelo menu do sistema e executando o comando:

chmod +x 01-script.sh

.

Depois de salvo você tem que executar o arquivo, dessa forma:

./01-script.sh

.

Viu alguma utilidade neste pequeno script?

Então siga adiante.

.

IMPORTANTE:

Para estudar shell script tem que ser como usuário normal. Se você está acessando o sistema como usuário administrador (root), saia e entre como um usuário normal. É muito perigoso estudar shell usando o superusuário, você pode danificar o sistema com um comando errado.

Ok, continuemos.

.

Para exibir um manual do bash ou mesmo do comando 'chmod', digite na linha de comando:

man bash

man chmod

.

É possível executar o arquivo mesmo sem modificar a permissão de execução, por exemplo, se for um arquivo escrito para ser executado pelo bash, usar:

sh ./"Nome do arquivo, sem aspas"

.

SHELL

É importante saber o que é um Shell.

Na linha de comandos de um shell, podemos utilizar diversos comandos um após o outro, ou mesmo combiná-los numa mesma linha.

Se colocarmos diversas linhas de comandos em um arquivo texto simples, teremos em mãos um Shell Script, ou um script em shell, já que Script é uma descrição geral de qualquer programa escrito em linguagem interpretada, ou seja, não compilada.

Outros exemplos de linguagens para scripts são o PHP, Perl, Python, JavaScript e muitos outros. Podemos então ter um script em php, um script perl e assim em diante.

Uma vez criado, um ShellScript pode ser reutilizado quantas vezes for necessário.

Seu uso, portanto, é indicado na automação de tarefas que serão realizadas mais de uma vez.

Todo sistema Unix e similares são repletos de scripts em shell para a realização das mais diversas atividades administrativas e de manutenção do sistema.

Os arquivos de lote (batch - arquivos *.bat) do Windows são também exemplos de ShellScripts, já que são escritos em linguagem interpretada e executados por um Shell do Windows, em geral o command.com ou hoje em dia o cmd.exe.

Os Shells do Unix, porém, são inumeras vezes mais poderosos que o interpretador de comandos do Windows, podendo executar tarefas muito mais complexas e elaboradas.

OS SCRIPTS SHELL PODEM SER AGENDADOS PARA EXECUÇÃO ATRAVÉS DA TABELA CRONTAB, ENTRE OUTRAS COISAS.

É uma ferramenta indispensável aos administradores de sistemas Unix.

O Shell mais comum e provavelmente o que possui mais scripts escritos para ele é também um dos mais antigos e simples, o sh.

Este shell está presente em todo o sistema tipo Unix, incluído o Linux, FreeBSD, AIX, HP-UX, OpenBSD, Solaris, NetBSD, Irix, etc. Por ser o shell nativo mais comum é natural que se prefira escrever scripts para ele, tornando o script mais facilmente portável para outro sistema.

Os Shells não estão diretamente associados a um ou outro tipo de Unix, embora várias empresas comerciais tenham suas próprias versões de Shell. No software livre o Shell utilizado em um sistema em geral é exatamente o mesmo utilizado em outro. Por exemplo, o bash encontrado no Linux é o mesmo shell bash encontrado no FreeBSD e pode também facilmente ser instalado no Solaris, Windows através do Cygwin [1] ou outros sistemas Unix comerciais para passar a ser utilizado como interface direta de comandos ou como interpretador de scripts. O mesmo acontece com o tcsh e vários outros shells desenvolvidos no modelo de software livre.

.

INTERAGIR COM O USUÁRIO

.

Para o script ficar mais completo, vamos colocar uma interação mínima com o usuário, pedindo uma confirmação antes de executar os comandos.

.

#!/bin/bash

clear

echo "Vou buscar os dados do sistema. Posso continuar? [S/n] "

read RESPOSTA

test "$RESPOSTA" = "n" && exit

echo ; echo "Data e Horário:" ; echo

date

echo

echo "Uso do disco:" ; echo

df -ht

echo

echo "Usuários conectados:" ; echo

w

echo ; echo "Seu nome de login é:"

whoami

echo

exit

# Fim do script

.

O comando "read" leu o que o usuário digitou e guardou na variável RESPOSTA. Logo em seguida, o comando "test" verificou se o conteúdo dessa variável era "n". Se afirmativo, o comando "exit" foi chamado e o script foi finalizado. Nessa linha há vários detalhes importantes:

O conteúdo da variável é acessado colocando-se um cifrão "$" na frente

O comando test é útil para fazer vários tipos de verificações em textos e arquivos

O operador lógico "&&", só executa o segundo comando caso o primeiro tenha sido OK. O operador inverso é o "||"

.

MELHORAR O CÓDIGO DO SCRIPT

Com o tempo, o script vai crescer, mais comandos vão ser adicionados e quanto maior, mais difícil encontrar o ponto certo onde fazer a alteração ou corrigir algum erro. Para poupar horas de estresse, e facilitar as manutenções futuras, é preciso deixar o código visualmente mais agradável e espaçado, e colocar comentários esclarecedores.

.

#!/bin/bash

# nome-do-script - script que mostra informações sobre o sistema

# Autor: Fulano da Silva

# Pede uma confirmação do usuário antes de executar

clear

echo "Vou buscar os dados do sistema. Posso continuar? [S/n]"

read RESPOSTA

# Se ele digitou 'n', vamos interromper o script

test "$RESPOSTA" = "n" && exit

# O date mostra a data e a hora correntes

sleep 3 ; echo "Data e Horário:" ; echo

date

sleep 3

echo

# O df mostra as partições e quanto cada uma ocupa no disco
echo "Uso do disco:"

sleep 3

echo

df

echo

sleep 6

# O w mostra os usuários que estão conectados nesta máquina

echo "Usuários conectados:"

sleep 3

echo

w

sleep 3

echo

# Fim do script

.

Basta iniciar a linha com um "#" e escrever o texto do comentário em seguida. Estas linhas são ignoradas pelo shell durante a execução. O cabeçalho com informações sobre o script e seu autor também é importante para ter-se uma visão geral do que o script faz, sem precisar decifrar seu código. Também é possível colocar comentários no meio da linha # como este

.

CARACTERÍSTICAS

.

OS SCRIPTS SHELL PODEM CONTER ESTRUTURAS DE PROGRAMAÇÃO TAIS COMO:

.

ESTRUTURAS DE DECISÃO (if)

Recurso utilizado para dar sequencia em fluxos de execução baseado decisões. Cuja sintaxe é:

- Condição Verificada é o teste que definirá se controle deve ser passado para dentro do bloco then, observe que esse teste é feito sobre a saída de um comando.
- Ação são comandos a serem executados em caso verdadeiro da condição verificada.

.

OPERADORES PARA NÚMEROS

-eq Verifica se é igual,
-ne Verifica se é diferente,
-lt Verifica se é menor,
-gt Verifica se é maior,
-le Verifica se é menor ou igual,
-ge Verifica se é maior ou igual.

.

OPERADORES PARA TEXTO

!= Verifica se é diferente,
= Verifica se é igual.

.

OPERADORES LÓGICOS

! Lógica NOT,
-o Lógica OU, (OR) ou ||,
-a Lógica E, (AND) ou &&.

.

OPERADOR PARA arquivos/

-d Verifica se é diretório,
-f Verifica se é arquivo,
-e Verifica se existe.

.

Ex:

# !/bin/baxh
# Uso de Estrutura de Decisão
clear

echo 'opções'
echo '======'
echo ' -> Data do Sistema'
echo ' -> Uso do Sistema'

read opcao

if [ "$opcao" -eq 1 ]
then
echo 'Data do sistema: ' && date

elif [ "$opcao" -eq 2 ]
then

echo 'Uso do disco: ' && df -Th
fi

# Fim do script

.

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO (FOR)(WHILE)

.

ESTRUTURA DE REPETIÇÃO FOR

Permite que ações de iteração sejam executadas sobre determinados comandos ou variáveis até que a condição seja satisfeita.

# !/bin/bash

clear

echo "DIAS DA SEMANA"
for dia in seg ter qua qui sex sab dom
do
echo "$dia"
done

# Fim do script

.

ESTRUTURA DE REPETIÇÃO WHILE

Em situações onde sabemos até onde o loop irá realizar uma contagem o ideal é usar o for entretanto em cenarios onde a iteração deve cessar somente após se satisfazer uma condição o uso do laço while é mais indicado. Ex:

# /bin/bash

clear
var=1
while [ $var -le 7 ]
do
echo "Valor de var: $var"
var=$((var+1))
done

# Fim do script

.

FUNÇÕES E ARGUMENTOS

Ex:

# !/bin/bash
# REALIZAR BACKUP DO DIR

echo -e " \033[1;33m Digite o caminho de origem.: \033[0m "
read DIR_ORIGEM

clear

echo -e " \033[1;34m Digite o caminho de destino.: \033[0m "
read DIR_DESTINO

clear

verifica_argumentos(){

if [ $# -lt 1 ];
then
echo "Faltou informar um dos argumentos (parametros) necessarios!"
exit 1
fi
}

copia_arquivos(){

verifica_argumentos

clear

echo "Realizando backup..."

#Verificando se o dir de destino existe

if ! [ -d $DIR_DESTINO ]
then
mkdir $DIR_DESTINO
echo "Diretorio de Destino Criado"
fi

#COPIANDO ARQUIVOS

for arq in `ls $DIR_ORIGEM`
do
cp /$DIR_ORIGEM/$arq $DIR_DESTINO/$arq.bak
done

}

copia_arquivos

# Fim do script

DEFINIÇÕES DE VARIÁVEIS E ESCOPO DESTAS

Variáveis são definidas pela nomenclatura NOME_VARIAVEL="Valor da Variável". O valor pode ser tanto numérico quanto texto.

Nome="Joel"

Se quisermos acessá-la, basta fazer referência a ela com o caractere $ (cifrão) antes do nome: o comando echo $Nome, por exemplo, retornará a palavra "Joel".

Se quiser sabe informações sobre os sistemas de arquivo nos quais cada ARQUIVO reside ou, por padrão, sobre todos os sistemas de arquivos posso abrir um terminal e digitar:

VarInfo="df -h"

Depois digito no terminal "$VarInfo" sem aspas.

.

VARIÁVEIS DE AMBIENTE

As variáveis de ambiente independem da definição do usuario. Elas são criadas automaticamente, no momento em que se faz o login no sistema.

Ex:

PATH: define diretórios de procura por programas executados no shell;
USER: informa o nome do usuário do shell;
HOME: informa o caminho do diretório home do usuário;
PWD: diretório atual;

.

As variáveis são a base de qualquer script. É dentro delas que os dados obtidos durante a execução do script serão armazenados. Para definir uma variável, basta usar o sinal de igual "=" e para ver seu valor, usa-se o "echo":

.

Execute estes comandos abaixo no terminal:

.

VARIAVEL="um dois tres"

echo $VARIAVEL

echo $VARIAVEL $VARIAVEL

.

Para remover a variável acima:

unset VARIAVEL

.

Teste:

echo $VARIAVEL

.

É possível armazenar a saída de um comando dentro de uma variável. Ao invés de aspas, o comando deve ser colocado entre "$(...)", execute no terminal os comandos abaixo:


HOJE=$(date)

echo "Hoje é: $HOJE"

unset HOJE

echo $HOJE

HOJE=$(ls)

echo "O conteúdo desta pasta tem: $HOJE"

unset HOJE

echo $HOJE

HOJE=$(free -hmt)

echo "Informando sobre a memória desta máquina: $HOJE"

unset HOJE

echo $HOJE

.

Exemplos de uso do shell script:

Apagar arquivos velhos - Apagar periodicamente arquivos mais velhos que 30 dias do diretório /tmp:



#!/bin/bash

cd /tmp
find . -type f -mtime +30 -delete

# Fim do script


Este seria o conteúdo de um shell script que sempre que fosse executado apagaria arquivos com data de modificação maior que 30 dias a partir do diretório /tmp do sistema de arquivos.

Notem que ele é nada mais do que uma associação de 2 comandos (cd e find) em um arquivo para facilitar a repetição da tarefa. Este poderia ser, por exemplo, o conteúdo do arquivo /bin/limpatmp.sh e poderíamos chamar este script pela linha de comandos sempre que desejássemos repetir esta ação:

$ limpatmp.sh

Onde o símbolo "$" representa o prompt de comandos. Do ponto de vista do usuário este seria mais um comando disponível para uso.

Os scripts em shell são também muito empregados junto à inicialização do sistema (para auto-iniciar tarefas) ou como mini-aplicativos, que facilitam tarefas dos usuários, tais como montagem de dispositivos, menus de ajuda, etc.

Sua primeira linha obrigatoriamente começa com um "#!" (que não se deve confundir com um comentário qualquer, pois realmente é uma exceção; este par se chama, em inglês, de shebang), informando diretamente ao núcleo (kernel) qual interpretador ele deverá usar, juntamente com seu caminho, de acordo com a necessidade de cada caso. Exemplo:

#!/bin/bash

Em seguida, são adicionados os comandos desejados, um por linha, ou separados por ponto e vírgula. Exemplo:


mount -t reiserfs /dev/hda1 /mnt/hda1

ls /mnt/hda1

cp -r /mnt/hda1/* /home/user/backup
umount /dev/hda1


Por fim, dá-se a permissão de execução a este arquivo de texto simples ("chmod +x arquivo").

.

DATA ANTERIOR

.

#!/bin/bash

# Função em Bash para retornar a data anterior, levando em conta o mês e ano.

fn_data_anterior()
{
DIA=$D
MES=$M
ANO=$A

# Dado DIA, MES e ANO numéricos, obtém a data do dia anterior

DIA=`expr $DIA - 1`
if [ $DIA -eq 0 ]; then
MES=`expr $MES - 1`
if [ $MES -eq 0 ]; then
MES=12
ANO=`expr $ANO - 1`
fi
DIA=`cal $MES $ANO`
DIA=`echo $DIA | awk '{ print $NF }'`
fi
}

ano=`date +%Y`;
mes=`date +%m`;
let dia=10\#`date +%d`;

if (( $dia<10 ));
then
j=0$dia;
else
j=$dia;
fi
dia=$j;
j="";

D=$dia
M=$mes
A=$ano

fn_data_anterior

echo $DIA $MES

# Fim do script

.

DETALHES SOBRE OS COMANDOS

.

Diferente de outras linguagens de programação, o shell não usa os parênteses para separar o comando de seus argumentos, usa sim o espaço em branco. O formato de um comando é sempre:

.

COMANDO + OPÇÕES + PARÂMETROS

.

O "read" é um comando do próprio shell, já o "date"" é um executável do sistema.

.

Dentro de um script, não faz diferença usar um ou outro, pois o shell sabe como executar ambos. Assim, toda a gama de comandos disponíveis no GNU/Linux pode ser usada em scripts.

Há vários comandos que foram feitos para serem usados com o shell, eles são ferramentas.

.

VEJAMOS ALGUNS DELES:

.

O comando "cat" mostra o conteúdo de um arquivo. O comando "cat -n sistema" mostra o
nosso script, com as linhas numeradas.

O "-n" é a opção para o comando, que o instrui a
numerar linhas, e "sistema" é o último argumento, o nome do arquivo.

cat (Mostra arquivo)

cat -n, cat -s (comando com opções)

.

cut (Extrai campo)

cut -d -f (comando com opções)

cut -c (comando com opções)

.

date Mostra data as opções são: -d, +'...'

.

find Encontra arquivos, as opções são: -name, -iname, -type f, -exec

.

grep Encontra texto, as opções são: -i, -v, -r, -qs, -w -x


.

head Mostra Início, as opções são: -n, -c


.

printf Mostra texto as opções são: nenhuma


.

rev Inverte texto, as opções são: nenhuma


.

sed Edita texto, as opções são: -n, s/isso/aquilo/, d

.

seq Conta Números, as opções são: -s, -f

.

sort Ordena texto, as opções são: -n, -f, -r, -k -t, -o

.

tail Mostra Final, as opções são: -n, -c, -f

.

tr Transforma texto, as opções são: -d, -s, A-Z a-z

.

uniq Remove duplicatas, opções: -i, -d, -u

.

wc Conta Letras, opções: -c, -w, -l, -L

.

Use "man nome-do-comando" ou "nome-do-comando --help" para obter mais informações sobre cada um deles.

.

O melhor, é que em shell é possível combinar comandos, aplicando-os em seqüência, para formar um comando completo. Usando o pipe "|" é possível canalizar a saída de um comando diretamente para a entrada de outro, fazendo uma cadeia de comandos.

.

Exemplo:


prompt$ cat /etc/passwd | grep root | cut -c1-10
root:x:0:0
prompt$

.

O cat mostra o arquivo todo, o grep pega essa saída e extrai apenas as linhas que contêm a palavra "root" e o cut por sua vez, somente nessas linhas que o grep achou, extrai os 10 primeiros caracteres. Isso funciona como uma estação de tratamento de água, onde ela entra suja, vai passando por vários filtros que vão tirando as impurezas e sai limpa no final. E por fim, também é possível redirecionar a saída de um comando para um arquivo ao invés da tela, usando o operador ">". Para guardar a saída do comando anterior no arquivo "saida", basta fazer:


cat /etc/passwd | grep root | cut -c1-10 > saida

cat saida

.

O COMANDO TEST

O canivete suíço dos comandos do shell é o "test", que consegue fazer vários tipos de testes em números, textos e arquivos. Ele possui várias opções para indicar que tipo de teste será feito, algumas delas:


-lt Núm. é menor que (LessThan)

-d É um diretório

-gt Núm. é maior que (GreaterThan)

-f É um arquivo normal

-le Núm. é menor igual (LessEqual)

-r O arquivo tem permissão de leitura

-ge Núm. é maior igual (GreaterEqual)

-s O tamanho do arquivo é maior que zero

-eq Núm. é igual (EQual)

-w O arquivo tem permissão de escrita

-ne Núm. é diferente (NotEqual)

-nt O arquivo é mais recente (NewerThan)

= String é igual

-ot O arquivo é mais antigo (OlderThan)

!= String é diferente

-ef O arquivo é o mesmo (EqualFile)

-n String é não nula

-a E lógico (AND)

-z String é nula

-o OU lógico (OR)


.

SCRIPT QUE TESTA ARQUIVOS

Tente fazer um script "testa-arquivos", que pede ao usuário para digitar um arquivo e testa se este arquivo existe. Se sim, diz se é um arquivo ou um diretório.

.

CONCEITOS MAIS AVANÇADOS

.

If, for e while

.

Assim como qualquer outra linguagem de programação, o shell também tem estruturas para se fazer condicionais e loop. As mais usadas são if, for e while.

.

Então daqui por diante, sabemos o básico, o necessário para se fazer um script de funcionalidade mínima. E este mínimo pode fazer coisas incríveis.


.


Ex:

if COMANDO
then
comandos
else
comandos
fi

# Fim do script



Ex:

for VAR in LISTA
do
comandos
done

# Fim do script



Ex:


while COMANDO
do
comandos
done

# Fim do script

.

Diferente de outras linguagens, o if testa um comando e não uma condição. Porém como já conhecemos qual o comando do shell que testa condições, é só usá-lo em conjunto com o if. Por exemplo, para saber se uma variável é maior ou menor do que 10 e mostrar uma mensagem na tela informando:

.

Ex:



if test "$VARIAVEL" -gt 10
then
echo "é maior que 10"
else
echo "é menor que 10"
fi

# Fim do script


.

Há um atalho para o test , que é o comando [. Ambos são exatamente o mesmo comando, porém usar o [ deixa o if mais parecido com o formato tradicional de outras linguagens:

.

Ex:


if [ "$VARIAVEL" -gt 10 ]
then
echo "é maior que 10"
else
echo "é menor que 10"
fi

# Fim do script

.

Se usar o [, também é preciso fechá-lo com o ], e sempre devem ter espaços ao redor. É recomendado evitar esta sintaxe para diminuir suas chances de erro.

.

Já o while é um laço que é executado enquanto um comando retorna OK. Novamente o test é bom de ser usado. Por exemplo, para segurar o processamento do script enquanto um arquivo de lock não é removido:

.

Ex:


while test -f /tmp/lock
do
echo "Script travado..."
sleep 1
done

# Fim do script

.

Ex:


E por fim, o for percorre uma lista de palavras, pegando uma por vez:

for numero in um dois três quatro cinco
do
echo "Contando: $numero"
done

# Fim do script

.

Uma ferramenta muito útil para usar com o for é o seq, que gera uma seqüência numérica.

.

Para fazer o loop andar 10 passos, pode-se fazer:

for passo in $(seq 10)

.


O mesmo pode ser feito com o while, usando um contador:

i=0
while test $i -le 10
do
i=$((i+1))
echo "Contando: $i"
done

# Fim do script


.

Até Breve


.

:)

.

Fonte: https://semanickzaine.wordpress.com/201 ... ipt-linux/
ruy
Presente
Presente
 
Mensagens: 29
Registrado em: 06 Mai 2017, 14:57
Distribuição Linux utilizada: Puppy

  • Tópicos Semelhantes
    Respostas
    Exibições
    Autor

Voltar para Artigos

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 3 visitantes

cron